Voltar
Blog da HashInvest

Quais blockchains podem ser usados pelo governo americano?

Postado em 03/06/2020

Nome do Autor felipe.benghi

No texto anterior falei sobre o lançamento pelo Banco Central do PIER, plataforma baseada em blockchain para compartilhamento de informações entre agências reguladoras do sistema financeiro brasileiro. Hoje, com base em um estudo recente e sob o ponto de vista de normas de segurança da informação, analiso a possibilidade de desenvolvimento de soluções similares para o governo americano e como isto impacta o setor da computação como um todo.

O artigo base para o texto de hoje se chama “Blockchain Compliance with Federal Cryptographic Information Processing Standards” e pode ser acessado neste link. Nele, são usadas as normas da National Institute of Standards and Technology (NIST) para avaliar quatro plataformas baseadas em blockchain. Esta avaliação é relevante porque, como Washington é um dos maiores consumidores de produtos de computação, e como a maior parte das grandes empresas da área são americanas, o que o governo americano estabelece como regra acaba virando o padrão no mundo todo.

As plataformas selecionadas para o estudo foram Multichain, Hyperledger Fabric, R3 Corda e Ethereum. Os critérios de seleção envolveram fatores como a maturidade do projeto e capacidade para atender às necessidades governamentais para uso em aplicações variadas. Assim, por exemplo, o Bitcoin foi ignorado dado que sua aplicação é mais restrita a transações financeiras.

Das quatro plataformas selecionadas, a única surpresa foi Multichain. Um projeto sem muita projeção na mídia, gerido por uma companhia inglesa e fortemente baseada na estrutura do Bitcoin. Quanto aos outros escolhidos, eles são de fatos os líderes.

Hyperledger Fabric, por exemplo, é um projeto inicialmente desenvolvido pela IBM e que unificou várias ferramentas e sistemas focados em blockchains para o uso empresarial. Atualmente o projeto é supervisionado pela Linux Foundation (a mesma do sistema operacional). R3 Corda surgiu inicialmente a partir de um consórcio de bancos e evolui para uma empresa de desenvolvimento de software com foco principal em aplicações financeiras.

Ethereum dispensa apresentações. É a segunda plataforma em valor de mercado e com um dos ecossistemas mais ativos em se tratando de blockchain e Criptomoedas. Sua versão para uso privado (em que somente membros autorizados têm acesso) tem diversas aplicações, como o próprio sistema desenvolvido pelo Banco Central brasileiro (PIER). Para a pesquisa em questão, não foram consideradas as grandes modificações que devem ocorrer na rede em julho, somente a versão em operação atualmente.

O resultado da pesquisa é bastante claro: R3 Corda é hoje a única das 4 plataformas compatível com os padrões determinados pelo governo americano. No entanto, isto não significa que os outros blockchains são inseguros.

O motivo das reprovações é a existência de uma lista reduzida de algoritmos e bibliotecas de criptografia que foram auditadas e aprovadas pela agência reguladora. Sistemas que utilizem elementos não auditados são reprovados automaticamente, mesmo que na prática sejam mais seguros que procedimentos analisados.

Este é o caso, por exemplo, do Ethereum. O segundo maior blockchain utiliza um método para cálculo do hash que nunca foi avaliado pela agência e, por isso, foi reprovado. No caso do Hyperledger Fabric, os algoritmos de criptografia utilizados foram até considerados seguros, mas a linguagem de programação em que a plataforma foi desenvolvida nunca foi avaliada.

Com isso, este resultado não significa que o único sistema que presta é R3 Corda ou que os demais sistemas não conseguirão evoluir com o tempo. Primeiro, porque diretrizes e padrões mudam com o tempo e nada impede que novos algoritmos sejam avaliados e aprovados no futuro. Além disso, como se trata de projetos em desenvolvimento, atualizações podem ser elaboradas para resolver incompatibilidades.

A verdade é que regulamentação e padronização normalmente são consequências de indústrias bem estabelecidas e maduras, o que ainda não é o caso de Criptomoedas e blockchain. Felizmente, estas divergências não têm impedido o desenvolvimento de novos projetos, como é o caso do PIER para o Brasil ou de outros exemplos espalhados pelo mundo. Inclusive, o governo americano é um dos mais engajados na criação de novas aplicações envolvendo esta tecnologia. Isto mostra que ninguém quer ficar por fora da revolução que está por vir, mesmo contra suas próprias diretivas e normas.

Veja outros artigos

Por que um ETF de Ether é diferente de um ETF de Bitcoin?

Por que um ETF de Ether é diferente de um ET

A grande notícia até o momento do ano de 2024 no mundo das criptomoedas é a aprovação da comercialização de ETFs de Bitcoin nos Estados Unidos.  

Um ETF (Exchange Traded Fund ou fundos de índices cotados) é um produto financeiro comercializado em bolsa de valores, mas que tem seu preço atrelado a um índice, mercadoria, obrigação ou composição de produtos – no caso, o preço do Bitcoin. Então a partir de janeiro deste ano, os investidores do maior mercado financeiro do mundo passaram a investir em Bitcoins com a mesma facilidade com que investem em ações da Apple, Microsoft, Google etc.  

Outro ponto importante desta liberação é que os ETFs de Bitcoin lançados até agora não são controlados por empresas de fundo de quintal. Estamos falando das maiores gestoras de capital do mundo, como Fidelity e BlackRock, que já acumularam sob gestão quase 200.000 Bitcoins ou aproximadamente USD 11 bilhões. A BlackRock sozinha representa quase USD 5 bilhões deste montante. 

Se esta notícia não te convenceu que criptomoedas não se tratam de picaretagem e brincadeira de nerds, dificilmente alguma outra notícia fará com que você mude de ideia.  

Dado o sucesso inicial dos ETFs de Bitcoin, debate-se agora quais outras criptomoedas poderão receber a luz verde do regulador e terem seus respectivos produtos financeiros lançados nos Estados Unidos. Por enquanto, a bola da vez é o Ether, criptomoeda da rede Ethereum. Inclusive, já existem sete gestoras aguardando aprovação para o lançamento de seus ETFs de Ether. Os primeiros resultados de aprovação/reprovação devem sair até maio deste ano. 

Mas porque o Ether?  

Bom, esta criptomoeda é a segunda mais valiosa em capitalização de mercado praticamente deste o seu lançamento em 2016 – só perdendo para o Bitcoin. Além disso, possui um ecossistema com desenvolvedores muito ativo e processa mais 1,093 milhões de transação por dia. Além disso, o Ether tem algumas características singulares em relação ao Bitcoin, que o posicionam como um produto diferente e não simplesmente uma cópia.  

Por exemplo, a rede Ethereum, em que são processadas as transações com Ether, precisa de muito menos energia do que a rede Bitcoin para funcionar. Isto porque o sistema que valida as transações foi alterado há 3 anos e não se baseia em poder de processamento computacional, como é o caso do Bitcoin. Isto faz com que o Ether seja considerado muito mais sustentável/eco-friendly do que o Bitcoin.  

Outra vantagem do Ether é que ele possui muitos mais casos de uso do que o Bitcoin. O Bitcoin tem sido muito utilizado majoritariamente para transações entre pessoas/instituições. Por sua vez, a rede Ethereum permite que sejam representados ativos do mundo real em um blockchain, através dos chamados tokens, e que sejam criados programas de computador para a compra e venda destes ativos de forma automática, com os chamados smart-contracts. Ou seja, o Ethereum é muito mais flexível e com mais aplicações. 

Por último, a rede Ethereum permite que um proprietário de Ethers depositem seus ativos em uma conta e recebam rendimentos por isso, quase como uma poupança. Este rendimento é variável e no momento que escrevo, é da ordem de 2,6%. 

Assim, juntando a maturidade da tecnologia e o dinâmico ecossistema, existe uma ótima possibilidade dos ETFs de Ether chamarem a atenção dos investidores pelas características únicas desta criptomoeda, obviamente, se aprovados pela entidade reguladora dos Estados Unidos.  

O fim do Real – R$

O fim do Real – R$

Até então, todos os padrões monetários conhecidos tiveram um início, meio e fim. Seria o Brasil uma exceção?

O Brasil adotou um padrão monetário reconhecido nacionalmente com a chegada dos portugueses. Os chamados réis vigoraram no Brasil desde a colonização até 1942, sendo sem dúvidas o padrão monetário de vida mais longa em nossas terras tupiniquins.

Desde então, digo desde 1942, seguimos numa constante alternância de padrão monetário para acomodar as irresponsabilidades sequencias e cumulativas de nossos governantes. Esticam, esticam e esticam até nossas moedas perderem praticamente todo seu valor. Na iminência de arrebentar uma nova moeda nasce ou renasce como se nada tivesse acontecido (menos para a população que empobrece).

Basicamente as irresponsabilidades sequenciais e cumulativas de TODOS os governos se resume em uma origem: A autonomia e liberdade do governo em determinar o valor do dinheiro. Dinheiro estatal não é escasso por definição, pelo menos não esses dinheirinhos da imagem mais acima…

De 1942 a 1967 vigorou o Cruzeiro (Cr$) – 25 anos de sucesso

1.000 réis passara a valer Cr$1,00

De 1967 a 1970 tivemos o Cruzeiro Novo (NCr$) – 3 aninhos

Cr$1.000 passara a valer NCr$1,00

De 1970 a 1986 o Cruzeiro Novo foi rebatizado de Cruzeiro para então mudar ao Cruzado que perdurou até 1989 – só mais 3 aninhos

NCr$1.000, rebatizados como Cr$1.000 passara a valer como Cz$1,00

De 1989 a 1990 o Cruzado virou novo e perdeu mais 3 zeros

Cz$1.000,00 virou NCz$1,00

De 1990 a 1993 o novo cruzado voltou a ser Cruzeiro

NCz$1.000,00 virou Cr$1,00

De 1993 a 1994 o Cruzeiro ganhou importância se tornando Cruzeiro Real, mas nessa perdeu mais 3 Zeros!

Cr$1.000,00 virou CR$1,00

Em 1994 o Cruzeiro Real perdeu o Cruzeiro e muito mais do que 3 Zeros

CR$2.750,00 viraram R$1,00

O Real vem fazendo história, pois acumula no momento em que escrevo esse texto quase 30 anos de história e uma inflação oficial acumulada de aproximadamente 680%.

Um sucesso. Um recorde. Quantos anos faltam para o Real Novo cortar 3 zeros?

Por muitos anos metais e pedras preciosas funcionaram como reserva de valor. Continuam funcionando. Por que? Porque são escassos na natureza. Quanto mais escasso e mais difícil o seu acesso maior o seu valor e melhor é o ativo como reserva de valor. Na história do dinheiro muitos ativos já foram utilizados como dinheiro ou reserva de valor, de conchas, pedras até commodities como sal e especiarias. Esses ativos funcionaram muito bem e mantiveram seu valor através dos tempos até que por um motivo ou outro deixaram de ser escassos e assim perderam seu poder de compra. O contato com outras civilizações ou avanços tecnológicos determinaram o fim da sua escassez. Nesse remoto passado a tecnologia foi a vilã para eliminar o poder de compra desses antigos padrões econômicos. Hoje a tecnologia é a heroína, os tempos mudam.

O Bitcoin é a realização de um feito inatingível e até então apenas idealizado como perfeição para um padrão monetário. O Bitcoin é escasso por definição eliminando por si só o risco de sua extinção (lembra lá da origem da derrocada das notinhas bonitas do início do texto?). Essa é a característica que faz muitos chamarem o Bitcoin de Ouro 2.0 ou Ouro Digital. Isso apesar do Bitcoin ser mais escasso que o ouro, mais divisível que o ouro, mais fácil e seguro de transportar que o ouro e ainda permitir a auto custódia.

Real ou Bitcoin para reserva de valor de longo prazo? 

O custo da sua teimosia

O custo da sua teimosia

A dúvida não vai lhe ajudar, pelo contrário, vai destruir sua capacidade de colher os benefícios do que tentamos lhe vender.

Recorrentemente faço um exercício com simulações, e hoje, trago o investimento mensal iniciado em uma data simbólica, a dia do All Time High do Bitcoin em 2021, em 8 de Novembro de 2021.

Nosso personagem fictício, o Zezão, para o êxtase dos detratores da Faria Lima, resolveu comprar o Bitcoin e Hash5 no pico, na máxima histórica… Para que nenhum “especialista” ou gerente de banco tenha uma desculpa qualquer para desqualificar o argumento.

Teria Zezão se dado mal?

Teria Zezão perdido dinheiro?

Não, nosso herói ganhou 547% (QUINHENTOS E QUARENTA E SETE POR CENTO) a mais com o Bitcoin do que ganhou com o Tesouro SELIC (menos o imposto de renda, o que ampliaria ainda mais essa diferença).

Zezão ganhou mais de 350% (TREZENTODS E CINQUENTA POR CENTO) a mais com o HASH5.

Observe a tabela abaixo, são 27 aportes de R$ 100,00 para nosso exercício:

TOTAL ->   4,116.22   4,891.16   3,100.22   3,110.97
  Hash5 Bitcoin CDI IBOV
08/11/2021         48.10         68.98      129.14      122.86
08/12/2021         60.08         93.47      128.35      119.24
08/01/2022         75.91      108.97      127.37      125.75
08/02/2022         86.69      113.39      126.38      114.73
08/03/2022      102.17      129.65      125.46      115.71
08/04/2022      101.78      129.92      124.24      108.82
08/05/2022      123.43      151.80      123.25      122.47
08/06/2022      167.15      174.65      121.92      118.82
08/07/2022      203.00      228.03      120.68      128.39
08/08/2022      169.87      212.34      119.44      118.78
08/09/2022      188.07      255.40      118.11      117.15
08/10/2022      184.51      256.03      116.86      110.64
08/11/2022      197.95      274.85      115.68      110.69
08/12/2022      208.19      287.33      114.45      119.95
08/01/2023      209.17      286.90      113.30      118.19
08/02/2023      174.04      216.93      111.98      117.11
08/03/2023      191.80      230.49      110.96      120.86
08/04/2023      160.05      182.03      109.78      127.71
08/05/2023      169.52      186.83      108.73      121.43
08/06/2023      177.79      198.68      107.52      111.49
08/07/2023      182.77      174.26      106.44      108.22
08/08/2023      167.62      176.89      108.05      101.29
08/09/2023      192.04      199.34      104.18      111.59
08/10/2023      182.28      178.69      103.19      112.70
08/11/2023      151.95      144.29      102.27      107.97
08/12/2023      125.33      118.10      101.58      101.24
08/01/2024      114.96      112.92      100.91         97.17

Os valores da tabela é o valor em 19/02/2024 (data em que escrevo esse texto) para o aporte efetuado no dia 8 de cada mês, iniciando no All time High.

Algumas observações pertinentes no tema HASH5 vc Bitcoin

P: “Ain, mas o HASH5 foi muito pior que o Bitcoin”.

R: Foi. O Bitcoin se comportou melhor no Bear Market, mas observe a tendência dos números nos últimos 4 meses. O HASH5 tende (não posso te garantir que vá) a desempenhar melhor nos touros. Foi assim nos últimos 3 ciclos, muito possivelmente será nesse também.

              Note também que minha explicação para isso é que a ganância e irracionalidade tendem a empurrar moedas de baixa capitalização de mercado para cima em meio a euforia. HASH5 é uma ferramenta de captura desse movimento de especulação através da diversificação e Bitcoin é a propriedade privada suprema. A perfeita noção disso e das diferenças é fundamental.

Estamos em estágios iniciais de um potencial novo Bull Market e as coisas tendem a ficar surreais a medida que o mercado se aquece. Por surreis eu digo que o Bitcoin sobe muito e via de regra, o mercado de altcoins se torna um hospício.

Passando um pito em você

Conto nos dedos os clientes que adotam a ÚNICA estratégia que defendemos publicamente em nosso conteúdo, que a estratégia do preço médio com diligência e disciplina. Batemos nessa tecla há mais de 6 anos, e nada…

Me faltam dedos para cotar os clientes que choram que só perdem dinheiro, que nunca foram felizes com o Bitcoin e com o Hash5 e que delegam a culpa para a HahInvest. Fizeram preço médio com diligência e disciplina? Não, não fizeram.

Quem se identificar com essa segunda parte aqui, muito provavelmente vai esperar um novo All Time High para voltar a comprar, e deixou muito lucro e uma potencial mudança de vida sobre a mesa.

É simples, mas não fácil

Veja que para ganhar mais de 5 (CINCO VEZES) o que a renda fixa lhe rendeu, mais do que 5 (CINCO VEZES) o que a bolsa de valores lhe rendeu, não tem absolutamente nenhum segredo.

É disciplina e um pouco de estômago. O estômago é para aguentar os poucos meses de prejuízo. A disciplina é saber que isso faz parte e manter os aportes de forma cadenciada.

Comprar um pouco por semana ou por mês. Não ficar olhando preço, trabalhar aportes como um relógio, não é ciência de foguete!

Mas não, você quer acertar a alta e a baixa. Você tem medo de comprar e perder.

Trago más notícias, o resultado não é do dia para a noite e não se materializa em uma semana, o resulta é composto no longo prazo e ele é incrível.

Em janelas de 4 (quatro) anos os resultados são praticamente obscenos, são inacreditáveis… Se até o maluco que aportou um monte uma vez na vida tem seus momentos de alegria, tente imaginar o sujeito disciplinado com constância e aportes de preço médio.

A melhor parte? Está prestes a acontecer de novo!

A pior parte? Você não vai ter a disciplina de fazer o preço médio, de novo! Vai reclamar de novo! Vai comprar uma vez em um dia específico, vai ver o preço cair a vai se por a reclamar.

Não vai ganhar 5 (CINCO VEZES MAIS) que bolsa ou renda fixa em um período de pouco mais de 2 anos aquele que é fraco, medroso e, principalmente, indisciplinado.

E o Zezão? Zezão vai mudar de vida.

E esse outro Zezão aqui que vos escreve, já falei e repito, esse é meu último Bull Market como uma entidade pública que tenta ajudar as pessoas com uma receita muito simples. Chato, claro que é chato… Quem não quer que seja do dia para a noite?

Menos Lobo de Wall Street, mais paciência para sentar a apreciar a grama crescer, ao seu tempo!