Voltar
Blog da HashInvest

Bitcoin: único investimento descorrelacionado na sua carteira?

Postado em 08/05/2020

Nome do Autor felipe.benghi

Com medo de uma nova crise mundial iniciada com o corona vírus, os bancos centrais do mundo voltaram a usar sua estratégia de inventar dinheiro. Só o Banco Central Americano (FED) injetou diretamente USD 700 bilhões na economia. Será que esta estratégia vai continuar funcionando para sempre e não teremos consequências no longo prazo?

Quem investe em Bitcoin tem um seguro caso tudo isto dê errado.

Isto porque o número total de moedas que existirão é fixo e a taxa com que elas chegarão ao mercado é conhecida por todos. Serão produzidos somente 21 milhões de Bitcoins e a inflação anual atual é de 3.69%. E isto não vai mudar nem com as variações de humor dos mercados nem com à vontade do presidente americano em tentar à reeleição.

Mas enquanto o último Bitcoin não é minerado (o que deve acontecer em 2140), em intervalos regulares acontece um evento chamado halvening. Ele determina que a taxa com que novos Bitcoins é criado seja diminuída pela metade. Então se hoje, a cada dez minutos aproximadamente, temos 6.25 novos Bitcoins, no próximo halving teremos 3.125 BTC e, quando isto ocorrer em aproximadamente 50 dias, será o terceiro evento do tipo na história da criptomoeda.

Como nas outras duas situações (2012 e 2016) houve uma aumento considerável do preço nos meses que sucederam o halving, existe uma grande expectativa na comunidade das criptomoedas de que algo semelhante venha a ocorrer neste ano. Para se ter uma ideia, em 2012 o preço foi de USD 12,00 para USD 127,00 e, em 2016, de USD 650,63 para USD 758,81 em apenas 150 dias após o halving.

Assim, ao investir em Bitcoin hoje, em uma época em que praticamente todas as modalidades de investimento na sua carteira dependem da premissa de que a impressão indiscriminada de moedas nacionais funciona e continuará funcionando para sempre e em que as pressões econômicas recentes devem levar à acentuação dessa política, investir em criptomoedas talvez seja a única forma de adicionar um ativo verdadeiramente descorrelacionado a sua carteira de investimentos. Além disso, de brinde, você ainda estará exposto a possibilidade de valorização quando o próximo halving ocorrer.

Veja outros artigos

Por que um ETF de Ether é diferente de um ETF de Bitcoin?

Por que um ETF de Ether é diferente de um ET

A grande notícia até o momento do ano de 2024 no mundo das criptomoedas é a aprovação da comercialização de ETFs de Bitcoin nos Estados Unidos.  

Um ETF (Exchange Traded Fund ou fundos de índices cotados) é um produto financeiro comercializado em bolsa de valores, mas que tem seu preço atrelado a um índice, mercadoria, obrigação ou composição de produtos – no caso, o preço do Bitcoin. Então a partir de janeiro deste ano, os investidores do maior mercado financeiro do mundo passaram a investir em Bitcoins com a mesma facilidade com que investem em ações da Apple, Microsoft, Google etc.  

Outro ponto importante desta liberação é que os ETFs de Bitcoin lançados até agora não são controlados por empresas de fundo de quintal. Estamos falando das maiores gestoras de capital do mundo, como Fidelity e BlackRock, que já acumularam sob gestão quase 200.000 Bitcoins ou aproximadamente USD 11 bilhões. A BlackRock sozinha representa quase USD 5 bilhões deste montante. 

Se esta notícia não te convenceu que criptomoedas não se tratam de picaretagem e brincadeira de nerds, dificilmente alguma outra notícia fará com que você mude de ideia.  

Dado o sucesso inicial dos ETFs de Bitcoin, debate-se agora quais outras criptomoedas poderão receber a luz verde do regulador e terem seus respectivos produtos financeiros lançados nos Estados Unidos. Por enquanto, a bola da vez é o Ether, criptomoeda da rede Ethereum. Inclusive, já existem sete gestoras aguardando aprovação para o lançamento de seus ETFs de Ether. Os primeiros resultados de aprovação/reprovação devem sair até maio deste ano. 

Mas porque o Ether?  

Bom, esta criptomoeda é a segunda mais valiosa em capitalização de mercado praticamente deste o seu lançamento em 2016 – só perdendo para o Bitcoin. Além disso, possui um ecossistema com desenvolvedores muito ativo e processa mais 1,093 milhões de transação por dia. Além disso, o Ether tem algumas características singulares em relação ao Bitcoin, que o posicionam como um produto diferente e não simplesmente uma cópia.  

Por exemplo, a rede Ethereum, em que são processadas as transações com Ether, precisa de muito menos energia do que a rede Bitcoin para funcionar. Isto porque o sistema que valida as transações foi alterado há 3 anos e não se baseia em poder de processamento computacional, como é o caso do Bitcoin. Isto faz com que o Ether seja considerado muito mais sustentável/eco-friendly do que o Bitcoin.  

Outra vantagem do Ether é que ele possui muitos mais casos de uso do que o Bitcoin. O Bitcoin tem sido muito utilizado majoritariamente para transações entre pessoas/instituições. Por sua vez, a rede Ethereum permite que sejam representados ativos do mundo real em um blockchain, através dos chamados tokens, e que sejam criados programas de computador para a compra e venda destes ativos de forma automática, com os chamados smart-contracts. Ou seja, o Ethereum é muito mais flexível e com mais aplicações. 

Por último, a rede Ethereum permite que um proprietário de Ethers depositem seus ativos em uma conta e recebam rendimentos por isso, quase como uma poupança. Este rendimento é variável e no momento que escrevo, é da ordem de 2,6%. 

Assim, juntando a maturidade da tecnologia e o dinâmico ecossistema, existe uma ótima possibilidade dos ETFs de Ether chamarem a atenção dos investidores pelas características únicas desta criptomoeda, obviamente, se aprovados pela entidade reguladora dos Estados Unidos.  

O fim do Real – R$

O fim do Real – R$

Até então, todos os padrões monetários conhecidos tiveram um início, meio e fim. Seria o Brasil uma exceção?

O Brasil adotou um padrão monetário reconhecido nacionalmente com a chegada dos portugueses. Os chamados réis vigoraram no Brasil desde a colonização até 1942, sendo sem dúvidas o padrão monetário de vida mais longa em nossas terras tupiniquins.

Desde então, digo desde 1942, seguimos numa constante alternância de padrão monetário para acomodar as irresponsabilidades sequencias e cumulativas de nossos governantes. Esticam, esticam e esticam até nossas moedas perderem praticamente todo seu valor. Na iminência de arrebentar uma nova moeda nasce ou renasce como se nada tivesse acontecido (menos para a população que empobrece).

Basicamente as irresponsabilidades sequenciais e cumulativas de TODOS os governos se resume em uma origem: A autonomia e liberdade do governo em determinar o valor do dinheiro. Dinheiro estatal não é escasso por definição, pelo menos não esses dinheirinhos da imagem mais acima…

De 1942 a 1967 vigorou o Cruzeiro (Cr$) – 25 anos de sucesso

1.000 réis passara a valer Cr$1,00

De 1967 a 1970 tivemos o Cruzeiro Novo (NCr$) – 3 aninhos

Cr$1.000 passara a valer NCr$1,00

De 1970 a 1986 o Cruzeiro Novo foi rebatizado de Cruzeiro para então mudar ao Cruzado que perdurou até 1989 – só mais 3 aninhos

NCr$1.000, rebatizados como Cr$1.000 passara a valer como Cz$1,00

De 1989 a 1990 o Cruzado virou novo e perdeu mais 3 zeros

Cz$1.000,00 virou NCz$1,00

De 1990 a 1993 o novo cruzado voltou a ser Cruzeiro

NCz$1.000,00 virou Cr$1,00

De 1993 a 1994 o Cruzeiro ganhou importância se tornando Cruzeiro Real, mas nessa perdeu mais 3 Zeros!

Cr$1.000,00 virou CR$1,00

Em 1994 o Cruzeiro Real perdeu o Cruzeiro e muito mais do que 3 Zeros

CR$2.750,00 viraram R$1,00

O Real vem fazendo história, pois acumula no momento em que escrevo esse texto quase 30 anos de história e uma inflação oficial acumulada de aproximadamente 680%.

Um sucesso. Um recorde. Quantos anos faltam para o Real Novo cortar 3 zeros?

Por muitos anos metais e pedras preciosas funcionaram como reserva de valor. Continuam funcionando. Por que? Porque são escassos na natureza. Quanto mais escasso e mais difícil o seu acesso maior o seu valor e melhor é o ativo como reserva de valor. Na história do dinheiro muitos ativos já foram utilizados como dinheiro ou reserva de valor, de conchas, pedras até commodities como sal e especiarias. Esses ativos funcionaram muito bem e mantiveram seu valor através dos tempos até que por um motivo ou outro deixaram de ser escassos e assim perderam seu poder de compra. O contato com outras civilizações ou avanços tecnológicos determinaram o fim da sua escassez. Nesse remoto passado a tecnologia foi a vilã para eliminar o poder de compra desses antigos padrões econômicos. Hoje a tecnologia é a heroína, os tempos mudam.

O Bitcoin é a realização de um feito inatingível e até então apenas idealizado como perfeição para um padrão monetário. O Bitcoin é escasso por definição eliminando por si só o risco de sua extinção (lembra lá da origem da derrocada das notinhas bonitas do início do texto?). Essa é a característica que faz muitos chamarem o Bitcoin de Ouro 2.0 ou Ouro Digital. Isso apesar do Bitcoin ser mais escasso que o ouro, mais divisível que o ouro, mais fácil e seguro de transportar que o ouro e ainda permitir a auto custódia.

Real ou Bitcoin para reserva de valor de longo prazo? 

O custo da sua teimosia

O custo da sua teimosia

A dúvida não vai lhe ajudar, pelo contrário, vai destruir sua capacidade de colher os benefícios do que tentamos lhe vender.

Recorrentemente faço um exercício com simulações, e hoje, trago o investimento mensal iniciado em uma data simbólica, a dia do All Time High do Bitcoin em 2021, em 8 de Novembro de 2021.

Nosso personagem fictício, o Zezão, para o êxtase dos detratores da Faria Lima, resolveu comprar o Bitcoin e Hash5 no pico, na máxima histórica… Para que nenhum “especialista” ou gerente de banco tenha uma desculpa qualquer para desqualificar o argumento.

Teria Zezão se dado mal?

Teria Zezão perdido dinheiro?

Não, nosso herói ganhou 547% (QUINHENTOS E QUARENTA E SETE POR CENTO) a mais com o Bitcoin do que ganhou com o Tesouro SELIC (menos o imposto de renda, o que ampliaria ainda mais essa diferença).

Zezão ganhou mais de 350% (TREZENTODS E CINQUENTA POR CENTO) a mais com o HASH5.

Observe a tabela abaixo, são 27 aportes de R$ 100,00 para nosso exercício:

TOTAL ->   4,116.22   4,891.16   3,100.22   3,110.97
  Hash5 Bitcoin CDI IBOV
08/11/2021         48.10         68.98      129.14      122.86
08/12/2021         60.08         93.47      128.35      119.24
08/01/2022         75.91      108.97      127.37      125.75
08/02/2022         86.69      113.39      126.38      114.73
08/03/2022      102.17      129.65      125.46      115.71
08/04/2022      101.78      129.92      124.24      108.82
08/05/2022      123.43      151.80      123.25      122.47
08/06/2022      167.15      174.65      121.92      118.82
08/07/2022      203.00      228.03      120.68      128.39
08/08/2022      169.87      212.34      119.44      118.78
08/09/2022      188.07      255.40      118.11      117.15
08/10/2022      184.51      256.03      116.86      110.64
08/11/2022      197.95      274.85      115.68      110.69
08/12/2022      208.19      287.33      114.45      119.95
08/01/2023      209.17      286.90      113.30      118.19
08/02/2023      174.04      216.93      111.98      117.11
08/03/2023      191.80      230.49      110.96      120.86
08/04/2023      160.05      182.03      109.78      127.71
08/05/2023      169.52      186.83      108.73      121.43
08/06/2023      177.79      198.68      107.52      111.49
08/07/2023      182.77      174.26      106.44      108.22
08/08/2023      167.62      176.89      108.05      101.29
08/09/2023      192.04      199.34      104.18      111.59
08/10/2023      182.28      178.69      103.19      112.70
08/11/2023      151.95      144.29      102.27      107.97
08/12/2023      125.33      118.10      101.58      101.24
08/01/2024      114.96      112.92      100.91         97.17

Os valores da tabela é o valor em 19/02/2024 (data em que escrevo esse texto) para o aporte efetuado no dia 8 de cada mês, iniciando no All time High.

Algumas observações pertinentes no tema HASH5 vc Bitcoin

P: “Ain, mas o HASH5 foi muito pior que o Bitcoin”.

R: Foi. O Bitcoin se comportou melhor no Bear Market, mas observe a tendência dos números nos últimos 4 meses. O HASH5 tende (não posso te garantir que vá) a desempenhar melhor nos touros. Foi assim nos últimos 3 ciclos, muito possivelmente será nesse também.

              Note também que minha explicação para isso é que a ganância e irracionalidade tendem a empurrar moedas de baixa capitalização de mercado para cima em meio a euforia. HASH5 é uma ferramenta de captura desse movimento de especulação através da diversificação e Bitcoin é a propriedade privada suprema. A perfeita noção disso e das diferenças é fundamental.

Estamos em estágios iniciais de um potencial novo Bull Market e as coisas tendem a ficar surreais a medida que o mercado se aquece. Por surreis eu digo que o Bitcoin sobe muito e via de regra, o mercado de altcoins se torna um hospício.

Passando um pito em você

Conto nos dedos os clientes que adotam a ÚNICA estratégia que defendemos publicamente em nosso conteúdo, que a estratégia do preço médio com diligência e disciplina. Batemos nessa tecla há mais de 6 anos, e nada…

Me faltam dedos para cotar os clientes que choram que só perdem dinheiro, que nunca foram felizes com o Bitcoin e com o Hash5 e que delegam a culpa para a HahInvest. Fizeram preço médio com diligência e disciplina? Não, não fizeram.

Quem se identificar com essa segunda parte aqui, muito provavelmente vai esperar um novo All Time High para voltar a comprar, e deixou muito lucro e uma potencial mudança de vida sobre a mesa.

É simples, mas não fácil

Veja que para ganhar mais de 5 (CINCO VEZES) o que a renda fixa lhe rendeu, mais do que 5 (CINCO VEZES) o que a bolsa de valores lhe rendeu, não tem absolutamente nenhum segredo.

É disciplina e um pouco de estômago. O estômago é para aguentar os poucos meses de prejuízo. A disciplina é saber que isso faz parte e manter os aportes de forma cadenciada.

Comprar um pouco por semana ou por mês. Não ficar olhando preço, trabalhar aportes como um relógio, não é ciência de foguete!

Mas não, você quer acertar a alta e a baixa. Você tem medo de comprar e perder.

Trago más notícias, o resultado não é do dia para a noite e não se materializa em uma semana, o resulta é composto no longo prazo e ele é incrível.

Em janelas de 4 (quatro) anos os resultados são praticamente obscenos, são inacreditáveis… Se até o maluco que aportou um monte uma vez na vida tem seus momentos de alegria, tente imaginar o sujeito disciplinado com constância e aportes de preço médio.

A melhor parte? Está prestes a acontecer de novo!

A pior parte? Você não vai ter a disciplina de fazer o preço médio, de novo! Vai reclamar de novo! Vai comprar uma vez em um dia específico, vai ver o preço cair a vai se por a reclamar.

Não vai ganhar 5 (CINCO VEZES MAIS) que bolsa ou renda fixa em um período de pouco mais de 2 anos aquele que é fraco, medroso e, principalmente, indisciplinado.

E o Zezão? Zezão vai mudar de vida.

E esse outro Zezão aqui que vos escreve, já falei e repito, esse é meu último Bull Market como uma entidade pública que tenta ajudar as pessoas com uma receita muito simples. Chato, claro que é chato… Quem não quer que seja do dia para a noite?

Menos Lobo de Wall Street, mais paciência para sentar a apreciar a grama crescer, ao seu tempo!