Um estudo recente do Congresso americano confirmou o que os leitores dessa coluna já sabem faz tempo: Criptomoedas não são adequadas ao terrorismo e ao narcotráfico. Vamos lá, não é necessário ser um gênio para saber que um registro aberto e rastreável de transações não tem como ser bom para criminosos. O que esse estudo não falou e, possivelmente vai levar algum tempo para os burocratas notarem, é que o potencial do blockchain de combater o crime vai muito além.

Outra aplicação em blockchain que promete aumentar fortemente a segurança das informações pessoais são as identidades digitais. Pode parecer pouco inovador (afinal “já” temos uma CNH nos nossos celulares), mas as possibilidades desta inovação são diversas.

Por exemplo, imagine quantos dados sobre você estão espalhadas em servidores pelo mundo. Será que todos esses servidores seguem protocolos adequados de segurança? Será que eles não vendem os seus dados para terceiros sem o seu consentimento? Em um caso extremo, seus dados podem ser roubados por hackers?

O papel das identidades digitais em blockchain é justamente garantir que você tenha o controle de suas informações com o mesmo nível de segurança e criptografia que existe nas transações financeiras envolvendo moedas digitais.

Um exemplo prático recente foi a utilização de identidades digitais pela cervejaria Anheuser-Busch para impedir a venda de bebidas alcoólicas para menores em um evento sobre blockchain. Se você ainda acha pouco, imagine como esse tipo de segurança pode afetar criminosos que se beneficiam justamente da anonimidade do dinheiro em espécie…

Por ser difícil imaginar diversos países se unindo e agindo em conjunto para aplicar na prática uma inovação deste porte, diversas empresas estão investindo nesse ramo. Microsoft e IBM já têm projetos nessa área, mas não é sobre elas que eu gostaria de falar hoje.

Uma empresa chamada Civic está em uma etapa interessante de sua estratégia para impulsionar a adesão de identidades digitais em blockchain. Basicamente eles já têm a infraestrutura necessária e empresas interessadas nos seus serviços, só falta um pequeno detalhe: uma base de usuários.

Isso mesmo.

Segurança e privacidade não são o suficiente para levar as pessoas a se cadastrarem no serviço ofertado pela Civic. Assim, para tentar escapar do marasmo, eles estão literalmente dispostos a pagar pelos cadastros!

Mesmo que as identidades digitais ainda estejam engatinhando, acho que ninguém duvida que, em um mundo cada vez mais globalizado e informatizado, um papel com foto na carteira não significa segurança. Fato é, as identidades digitais são questão de tempo e, até o momento, blockchain é a tecnologia mas adequada para tornar isso realidade.

Obs: Este artigo é uma réplica da Newsletter da HashInvest disponibilizada por e-mail e publicada aqui com alguns dias de defasagem. Quer receber a Newsletter na íntegra? Assine inserindo o seu e-mail abaixo:

Assine a nossa newsletter
Receba o conteúdo que interessa para o investidor em Criptomoedas!
Obrigado por assinar a nossa newsletter!
We respect your privacy. Your information is safe and will never be shared.
Don't miss out. Subscribe today.
×
×
WordPress Popup Plugin